AFA

Os dados obtidos por sensoriamento remoto - aerofotos, imagens de satélite, radar, entre outros - constituem importante instrumental de trabalho para diversos campos do conhecimento, especialmente para a ciências geográfica. Registros espaciais com várias resoluções e suportes físicos, permitem análises evolutivas, cartográficas, qualitativas e quantitativas indispensáveis aos estudos e ao planejamento físico-territoriais.

Mesmo numa época em que os dados orbitais, multiespectrais e digitais se disseminam, as fotografias aéreas não perdem seus valores pedagógico e científico, principalmente relacionados às suas escalas espaciais e visão estereoscópica de alta resolução.

Inicialmente criado para guarda de um acervo de aerofotos do aerolevantamento de 1962 do Estado de São Paulo, reúne atualmente, não só fotografias'aéreas e fotoíndices, como também mosaicos semi-controlados de radar, de aerofotos, e imagens de satélite.

Inaugurado em 1966, à época do Instituto de Geografia, tem por finalidades básicas, organizar, preservar e dar acesso a pesquisadores, professores, alunos e técnicos de entidades públicas e privadas, a esta documentação de alto valor técnico-científico e principalmente, histórico-geográfico.

O AFA iniciou seu processo de restauração a partir de 1993, através da filosofia de valorização desta documentação especial e progressivamente rara.